Autoavaliação de competências digitais: o primeiro passo!

17 de maio de 2019


Autoavaliação de Professores em Competências Digitais – Guia EduTec

Uma escola inovadora, que atrai e engaja os estudantes, se faz pelas mãos dos professores. Vários estudos e experiências em todo o mundo demonstram que ações eficazes de formação docente para o uso de tecnologia são um caminho direto a implementação de práticas pedagógicas que gerem qualidade para a educação.


No entanto, para atingir esses objetivos, é fundamental compreender quais são as competências que devem ser trabalhadas com os educadores. A tecnologia tem grande potencial, não há dúvida. No entanto, não basta oferecer infraestrutura e recursos. O professor precisa ser sensibilizado e
apoiado a usar a tecnologia de acordo com as suas expectativas e com as suas reais necessidades de desenvolvimento, não apenas profissional, mas também pessoal.


Para contribuir com essa mudança de paradigma, o CIEB criou a Matriz de Competências Digitais. O documento elenca tudo que é necessário para que o docente faça uso efetivo da tecnologia, tanto para suas atividades de ensino, quanto para seu próprio processo de atualização. A base conceitual dessa matriz está na Nota Técnica #8 do CIEB: “Competências de professores e multiplicadores para uso de TICs na educação”.


“Esse trabalho, baseado na proposta de possibilitar o desenvolvimento e a atualização progressiva do docente em tecnologia educacional, resultou na criação de níveis de apropriação das tecnologias. O estudo apresenta descritores que indicam o que um professor, em cada nível, está apto a fazer. A base conceitual dos descritores, desenvolvidos em parceria com o
Instituto Natura e a Rede Escola Digital, está na Nota Técnica #15 do CIEB: “Autoavaliação de Competências Digitais de Professores”.

Assim, foi criada uma nova funcionalidade do Guia Edutec, a Autoavaliação de Competências Digitais de Professores. Qualquer docente pode se cadastrar e acessar a ferramenta, disponível gratuitamente on-line. São 23 questões, distribuídas em três áreas: Pedagógica, Cidadania Digital e Desenvolvimento Profissional. Na área Pedagógica, são avaliadas as competências:


Prática pedagógica, personalização, avaliação, curadoria e criação. Na área Cidadania digital, são avaliados o uso responsável, o uso crítico, o uso seguro e a inclusão. No Desenvolvimento Profissional, a ferramenta tem como foco o autodesenvolvimento, a autoavaliação, o compartilhamento e a
comunicação.


Ao responder as questões, o professor recebe uma devolutiva, por área e por competência, indicativa de qual o seu nível de apropriação das tecnologias digitais. Cada área e competência tem cinco níveis de apropriação: exposição, familiarização, adaptação, integração e transformação. O resultado inclui ainda sugestões de como evoluir, com indicações de materiais, leituras e atividades.


A autoavaliação pode ser feita por iniciativa individual de um professor interessado em saber mais sobre como estão seus conhecimentos e usos de tecnologia no dia a dia e queira se desenvolver profissionalmente. Além da devolutiva do professor, o Guia EduTec oferece ainda uma devolutiva aos gestores públicos, que podem visualizar o mapeamento das competências
dos docentes da sua rede de ensino. Com isso, a secretaria de Educação pode desenvolver estratégias de formação bem focadas, significativas, que supram as reais lacunas e contemplem as expectativas dos educadores.