Inclusão digital gera inclusão social

literacy2

29 de novembro de 2018

Inspirados no lema do estado de Minas Gerais, “Liberdade ainda que tardia”, dois professores criaram, no município mineiro de Luminárias, o projeto Literacy, antes que seja tarde!. Com essa iniciativa, levaram inclusão digital e social a alunos e professores da Escola Estadual Professor Fabregas – o que significa uma forma ampliar a liberdade desses atores na condução de seus processos de ensino e aprendizagem.

lliteracy1Mas, como levar inclusão digital a uma comunidade com boa parte dos alunos residentes em zona rural, filhos de agricultores familiares ou mineradores, com raros casos de acesso à internet e a dispositivos móveis de comunicação? Além do cenário desafiador, os educadores tinham, como público-alvo do projeto, crianças e jovens com grandes dificuldades em interpretação e escrita de textos. “Aqui não temos bancas de revistas, nem livrarias. Os materiais de pesquisa em sala de aula se limitam ao que os professores levam e à biblioteca da escola. Os 50 minutos de aula não são suficientes pra levar os meninos ao laboratório de informática, onde, para piorar, os computadores são lentos e a internet não aguenta uma turma de 40 alunos acessando ao mesmo tempo”, conta Roseli da Costa Silva, autora do projeto em parceria com o professor de inglês Saulo Augusto Andrade Biavati.

Aficionados por tecnologia, Roseli e Paulo acreditavam que poderiam melhorar muito o rendimento pedagógico do ensino fundamental e do médio se utilizassem um ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Levaram a ideia ao diretor, que aprovou o projeto. Assim começou o projeto, já no final de 2017. De início, pensaram em usar a ferramenta Moodle, mas o custo seria inviável.

“Então partimos para a plataforma Google Classroom, que não conhecíamos. Usamos nossas férias de final de ano para estudar a solução e os recursos. Em janeiro, já tínhamos criado uma sala de aula. Em fevereiro, aconteceram os treinamentos de cerca de 30 professores e 600 alunos, em forma de mutirão. Em abril, foi feita a primeira prova on-line”, comemora Roseli. “Os meninos do ensino médio ajudaram a criar os e-mails”, conta, orgulhosa, a professora.

Antes de começar o projeto, os professores ouviram os alunos e perguntaram o que achavam do ensino a distância, de fazer um curso virtual. “A maioria não sabia do que se tratava e não se sentia segura de estudar on-line. Aí eu perguntei e se esse estudo a distância fosse vinculado à escola, por meio do computador ou do celular. Me responderam que isso não seria possível porque não era permitido usar celular na escola. Cada vez eu sentia mais necessidade de implantar o projeto”, diz Roseli.

Hoje, o AVA da Professor Fabregas está em plena atividade, recebendo aulas, postagens de materiais de estudo, provas, resultados de trabalhos e até já abrigou um seminário feito pelos alunos. Também é usado para comunicação da direção da escola com professores e com pais. Roseli destaca outro benefício descoberto com o uso da plataforma: a facilidade para a integração entre as disciplinas. “Antes, nós tínhamos reuniões, mas não sabíamos exatamente qual conteúdo o outro professor estava abordando. Agora, temos acesso a tudo. Postei, por exemplo, uma atividade sobre trovadorismo, e vi que o professor de física estava postando sobre Galileu Galilei. Estávamos trabalhando o mesmo conteúdo em disciplinas diferentes. Isso é muito rico”, explica.